Como tudo começou

Sou Laura Pires, terapeuta ayurvédica e com aprofundamento em Herbologia, Nutraceuticos e Nutrição e Culinária ayurvédica pela International Academy of Ayurveda, Pune, Índia. Encontrei na Índia uma caminho para a saúde plena e um direcionamento para a essência mais pura. Ministro cursos e palestras sobre Ayurveda por todo o Brasil e hoje me dedico também  a faculdade de Nutrição moderna, para me ajudar nesta caminhada , e  inspirar outras pessoas a buscarem alternativas e meios  eficazes para uma vida mais saudável e equilibrada.

laura_essencia2

 

~ COMO TUDO COMEÇOU – PARTE I ~
O lado de dentro do casuloEram os anos mais saudáveis e de mais vitalidade da minha vida, ou, pelo menos, era isso que eu achava. Tinha 23 anos e começava a interagir com o mundo. Trabalhava com arquitetura e decoração e gostava do que fazia, mas confesso que não tinha paixão, entusiasmo ou dom, e ainda assim era algo que me seduzia, me alegrava.Em casa, outros desafios. Vivia uma crise conjugal e temia uma possível separação. O medo de encarar meus sentimentos me travava, mantendo-me no mesmo lugar.  Sair da zona de conforto não era meu forte, nem meu objetivo. Aliás, esse talvez, fosse meu maior pavor.Como muitas pessoas, preferia suportar as situações penosas e desagradáveis do dia a dia, conviver com elas, a mudar e partir para algo desconhecido. Controlar meus impulsos, meus sentimentos, controlar o movimento dos outros e do mundo ao meu redor: talvez este fosse o meu maior desejo.Essa tentativa de controle tão intensa, feroz e inconsciente acabou por se transformar, e materializando-se de maneira muito forte. Eu, que queria controlar a vida, começava a ter sinais de que meu próprio corpo não podia ser domado.Era o ano de 2006. Um dia, ao acordar, notei algo estranho. A visão periférica do meu olho esquerdo estava completamente borrada. Foi o primeiro sinal, e sem que eu sequer imaginasse, uma dolorosa saga teve início. Oftalmologistas, neurologistas, clínicos, exames, ressonâncias, tomografias… Em três meses minha vida transformou-se em visitas a laboratórios e consultórios médicos. E minha saúde só piorava.

O que começou como um desconforto no olho esquerdo logo ampliou-se para a perda de visão periférica dos dois olhos.  Os sintomas se sucediam: sentia câimbras que podiam durar de duas a três horas seguidas, dormências pelo corpo, sensações de choque, ardência e tremor interno, rigidez dos membros, às vezes falta de reflexos, falta de coordenação motora e confusão mental.

Se em alguns dias o quadro era assustador, em outros dias, simplesmente não sentia nada. Vivia no descompasso da surpresa: um novo sintoma aparecia enquanto um outro estranhamente desaparecia. Buscava médicos ansiando uma resposta, mas ninguém dizia nada. Restringiam-se a prescrever doses cavalares de corticoides, mas nada explicavam. Após muita investigação, dores, desconfortos, finalmente uma médica apontou indícios de uma doença desmielinizante do sistema nervoso: esclerose múltipla.

A medicina sabe pouco sobre esta doença. Não há qualquer certeza quanto às causa, manifestações, muito menos quanto a tratamentos adequados. Terapias experimentais são realizadas há anos no mundo inteiro, sendo meras tentativas de controlar os sintomas, sem que se chegue à cura.  Logo que comecei a pesquisar sobre o assunto e ouvir as explicações dos médicos, me dei conta da complexidade de sua complexidade. Os próprios médicos divergiam em seus discursos. Um dos maiores estudiosos da doença no Brasil definiu-a como inflamatória crônica, provavelmente autoimune. Por motivos genéticos ou externos, na esclerose múltipla, o sistema imunológico começa a agredir a bainha de mielina (capa que envolve todos os axônios) que recobre os neurônios, o que compromete a função do sistema nervoso.

Descobri algumas certezas, nada animadoras. A característica mais notável da esclerose múltipla é a imprevisibilidade dos surtos. De causas desconhecidas, em geral acomete jovens, entre 20 e 30 anos, atingindo mais mulheres e indivíduos de pele branca que vivem em zonas temperadas. Os sintomas e os chamados surtos variam, sendo comuns: perda ou excesso de sensibilidade, alterações na visão, problemas motores, fraqueza, dormência ou formigamento nas pernas ou de um lado do corpo, desequilíbrio, tremores, dificuldade de fala, respiração e controle dos esfíncteres. O diagnóstico é basicamente clínico, complementado por exames de imagem.

Diante dessa dura realidade, me desesperei. Era como uma sentença: chorei muito, mas não me entreguei. Sabia que não podia enfrentar tudo isso sozinha. Em plena crise conjugal, ajoelhei-me diante do meu marido e pedi que me ajudasse, que naquele momento não fosse embora, não me abandonasse. Num gesto de grande nobreza, Marcus colocou seus sonhos, desejos e crenças de lado e aceitou ficar comigo. Mais do que isso, tomou as rédeas da situação e começou a pesquisar, pela internet, pessoas e alternativas que pudessem me salvar.

Como os médicos não chegavam a um diagnóstico preciso, e percebendo que os tratamentos prescritos eram meros paliativos, e não ofereciam a possibilidade de cura, Marcus começou uma busca incessante de  tratamentos mais eficazes e com chances reais de melhora. Entrou em contato com profissionais no mundo inteiro, e foi da Índia que tivemos a resposta mais alentadora: havia, sim, possibilidade de reverter meu quadro, mas a decisão deveria ser tomada logo. Conhecia a Índia, entendia um pouco daquela cultura, era um país que me fascinava. Mas nas condições físicas e emocionais que me encontrava, a perspectiva de uma viagem tão longa rumo ao desconhecido me aterrorizava. No entanto, aquela informação ficou bem guardada dentro de mim.

Continuei minha peregrinação em busca de resultados. Fui a igrejas e centro espírita. Consultei médicos e terapeutas das mais diversas linhas. Os meses iam passando e eu só piorava. Uma fadiga tomava conta de mim e em muitos dos dias eu mal tinha forças para andar. Às vezes passava tardes deitava, levantando só para ir ao banheiro ou à cozinha. Cãibras noturnas me arrancavam do sono, me fazendo trincar os dentes de tanto desespero. Era uma sensação terrível, como se os músculos das pernas e dos braços estivessem se rasgando. As juntas estalavam, truncavam, por vezes me paralisando. Mas dentre todos os sintomas, o mais assustador era a perda da visão, que ameaçava a cada dia. O tempo não era meu aliado, e um dia uma médica, especializada em esclerose múltipla, foi incisiva: “Laura, não tem mais como adiar. Vamos para o hospital providenciar sua internação para dar início à pulsoterapia.” Eu sabia o que estava por trás dessa palavra. Pulsoterapia é a administração de altas doses de medicamentos num curto espaço de tempo. Na esclerose múltipla, ela se faz com cortidóides. Esta possibilidade me alarmou. Temia os efeitos colaterais da medicação e temia mais ainda que, ao final, não houvesse nenhum resultado positivo. Ao medo profundo veio somar-se um desejo igualmente forte de cuidar de mim, de me curar.

Fechei a porta do consultório, olhei para o Marcus e disse: “Vamos para a Índia.” Fomos imediatamente para a agência de viagem, compramos a passagem e em menos de 24 horas embarcamos rumo ao país.

E foi aí que a minha vida começou a se transformar. O encontro com meu verdadeiro ser estava prestes a acontecer. Naquele momento eu era como uma verdadeira lagarta, em sua fase mais difícil, apertada, desesperadora, arrastando-me por caminhos tortuosos, limitada, achando que o mundo era apenas aquilo. Achava que passava por meus últimos momentos de vida, de sobrevivência, mas era apenas um intervalo forte e intenso que me transformaria.

Logo a lagarta aprenderia a voar como uma borboleta, passando a ver o mundo sob uma nova perspectiva, enxergando de cima o chão onde antes rastejava. Foi preciso sentir as dores do corpo e da alma, passar por um recolhimento, cuidar da minha mente, do meu espírito, para ver outras possibilidades e oportunidades, vislumbrar uma nova realidade. Nem melhor, nem pior, apenas diferente, mais consciente do meu ser, da minha existência, da vida em si.

Extraído do Livro : O Sabor da Harmonia – Receitas Ayurvédicas para o bem-estar –  Editora Rocco

 

COMO TUDO COMEÇOU – PARTE I~

Criando asas

Foram mais de 30 horas de viagem até chegar a pequena clínica ayurvédica, no interior do estado do Kerala, sul da Índia, onde uma equipe médica amorosa e sorridente estava a nossa espera. Lembro-me de cada detalhe: os olhares, os cheiros, cada passo vacilante.

O local não tinha muita estrutura, se comparado aos padrões ocidentais. Era uma pequena casa, com talvez três quartos para os pacientes e um banheiro coletivo. Não havia nem mesmo chuveiro, e tomávamos banho de caneca, usando a água morna que saía de uma torneira que ficava ao lado do vaso sanitário.

As salas de tratamentos eram bem simples. O cheiro forte de óleos medicados estava entranhado nas paredes, macas e móveis. Havia manchas dos tais óleos por toda parte, já que a maioria dos procedimentos dependia basicamente desta poderosa ferramenta.

Depois de nos acomodarem, tive a primeira consulta. O médico ouviu meu relato, me examinou. Enquanto conversava com suas assistentes sobre meu caso, não me contive:

— Então, Doutor, quando começarei meu tratamento?

Ele, com muita calma, respondeu:

— Quando começará? Já começou! No momento que você decidiu deixar sua casa e vir para cá você deu início ao seu tratamento. Logo mais começaremos os procedimentos clínicos, remédios e terapias. Mas mais importante que tudo isso é rezar. Há um altar na recepção. Vá lá, faça suas orações.  Reze todos os dias, será muito importante para você.

Eu nunca tinha feito uma prece, mas segui sua orientação.  Passei a orar para os médicos, pedindo proteção, clareza e saúde.

O tratamento foi muito difícil, mas me entreguei de corpo e alma. Por mais que tudo aquilo fosse diferente da minha realidade, seguia todas, e no fundo sabia que aquilo era para sempre, que nunca mais seria a mesma pessoa.

Massagens com óleos medicinais, limpezas intestinais intensas e diárias, com óleos ou chás de ervas se sucediam. A cada nova purgação sentia que, quanto mais meu corpo estava sendo limpo, mais minha alma ia se abrindo, se transformando.

Chorava horas e horas após as limpezas. Sentia emoções e sensações inimagináveis. Deparei-me com mágoas, rancores, dúvidas, alegrias, emoções muito escondidas, grudadas no meu ser. Pouco a pouco percebia o quão doente minha alma estava. Não era só o corpo físico, mas a mente e o espírito também precisavam daquela atenção e cuidado. A partir de um certo momento, já nem me dava conta das condições precárias do local. O poder transformador da Ayurveda tomava conta do meu ser.

Foram 21 dias de internação. Recuperei completamente a visão, mas só passei a andar normalmente, com firmeza, depois de cerca de um ano e meio.

Ao voltar para casa, adotei novos hábitos e uma nova rotina. Devagarzinho a Ayurveda foi assumindo o controle da minha vida, da minha existência. Uma nova realidade se delineava para mim.

Extraído do Livro : O Sabor da Harmonia – Receitas Ayurvédicas para o bem-estar –  Editora Rocco

 

COMO TUDO COMEÇOU – PARTE III ~

Levantando voo

No retorno para casa, além da Ayurveda, a yoga e a terapia com hipnose entraram na minha rotina de maneira profunda e intensa. A primeira serviu para ajudar a acalmar meu corpo, recuperar os movimentos, a coordenação; a segunda, para criar novos padrões, perceber e entender emoções, sentimentos, apegos. Foram quase três anos dentro de um casulo, na minha casa, cuidando de mim, estudando e conhecendo a Ayurveda, vivenciando cada detalhe desta sabedoria milenar.

Ao longo deste processo, tornei-me extremamente vigilante e rigorosa em relação às minhas atitudes e ao meu comportamento, prestando atenção à respiração, aos exercícios e à dieta. Eu, que antes não me interessava muito com a cozinha, acabei me apaixonando pelo ato de cozinhar. No início, passava praticamente o dia todo preparando minha comida, me organizando e me entendendo com os utensílios de cozinha. Passei a entender que aquilo que comemos, o modo como preparamos e ingerimos nossos alimentos afetam de maneira profunda a natureza das células, o funcionamento dos órgãos, assim como nosso estado mental, nosso comportamento e nossas reações à vida e aos acontecimentos.

Mais importante do que aprender as teorias ayurvédicas descritas nos livros e ouvidas nas aulas é vivencia-las, e à medida que ia me aprofundando nos estudos, percebia que já tinha experimentado muitas das explicações. Fui aprendendo a Ayurveda na pele, na alma, no espírito. Hoje sinto correr pelas minhas veias toda uma teoria milenar, sinto que transpiro, transbordo pelos poros, pelos pensamentos e pela vida a Ayurveda.

Extraído do Livro : O Sabor da Harmonia – Receitas Ayurvédicas para o bem-estar –  Editora Rocco

60 impressões sobre “Como tudo começou

  • 23 de fevereiro de 2017 at 15:06
    Permalink

    Oi, que bacana este blogue, já assinei. Trabalho com a Thai Yoga e comecei a atender uma cliente com EM e atrás de informações mais precisas me indicaram o teu blogue

    Perfeito, parabéns pelo teu trabalho!

    Reply
  • 26 de janeiro de 2017 at 00:20
    Permalink

    Olá Laura, boa noite! Sou Fabio Freitas e escrevo de Minas Gerais. Achei o seu blog muito interessante. Fui diagnosticado com esclerose múltipla em 2014 com 21 anos e passei por situações semelhantes a sua principalmente com preocupações sobre a evolução da doença. Estudo fisioterapia na minha cidade e tenho muita curiosidade em fazer o curso de ayurvedica na Índia e gostaria, se possível de alguma orientação sua sobre o curso e onde posso pesquisar mais sobre o conteúdo do mesmo, o preço e as datas de inscrição. Desde já agradeço a atenção!

    Reply
  • 14 de novembro de 2016 at 11:14
    Permalink

    Parabéns pela sua história de vida, você é uma pessoa especial e vencedora!
    Hoje, eu estudo para me tornar uma terapeuta Ayurvedica, voltada mais para a área alimentar e sua história é emocionante e motiva a gente.
    Obrigada, Abraço e tudo de bom !

    Reply
  • 3 de setembro de 2016 at 14:55
    Permalink

    Olá laura!
    Acabei de ler a sua história de como tudo começou, e estou profundamente emocionada. Que MARAVILHA! Eu também tive em 2013 uma doença gravíssima como um “despertar”, não só perdi a visão, mas também os movimentos periféricos da face, e consegui através de um mergulho profundo no meu próprio ser, na reconexão espiritual e com os alimentos, a recuperação da minha saúde sem nenhuma sequela. Gratidão por compartilhar a sua história e dividir seu conhecimento. Namastê.

    Reply
    • 18 de outubro de 2016 at 01:07
      Permalink

      que lindo Claudiany . bom ter essas trocas de vivências e experiências!!! Muita saúde para todos nós!!! que continuemos no caminho do auto cuidado, conhecimento e crescimento. grande beijo

      Reply
  • 24 de maio de 2016 at 02:11
    Permalink

    Ola Raissa. Li sua mensagem à Laura. Ainda não consegui fazer um curso com ela mas está nos meus planos. Todas as pessoas que a conhecem se encantam.
    Vc pode passar um email pra mim? ritacassia_martins@hotmail.com. Sinto muito por sua mãe. Sei o que são problemas para os quais não encontramos solução. Mas ela é privilegiada. Com todos os problemas tem uma filha amorosa, preocupada em buscar o melhor. Tenho certeza que tero sucesso. Fico na torcida. Aguardo seu contato. Tenha Fé. Abraços.

    Reply
  • 19 de maio de 2016 at 13:17
    Permalink

    Olá LAura
    É um prazer conhecer o seu trabalho na linha da ayurvedica. Ontem encontrei com uma das alunas no ônibus e fiquei encantada. Estou com problemas com a alimentação, pois hoje estou com uma intolerância a glúten. E tenho desarranjos constantes com dor abdominal. Estou precisando fazer uma consulta e me organizar na alimentação para buscar a saúde de volta. Na medicina alopática não há prevenção e muita intoxicação por remédios. Que já passei por isso. Agradeço a atenção dispensada. Se for possível mandar os dados para um contato e atendimento.
    Patricia da S. Nascimento

    Reply
    • 24 de maio de 2016 at 00:28
      Permalink

      OI Patricia
      Obrigada pelo seu contato e interesse. Mande um e-mail para contato@luarapires.com.br que te dou algum contato de terapeuta ou medico que trabalhe com ayurveda para te ajudar. No momento não estou fazendo atendimentos individuais, somente ministrando cursos.
      Muita saúde na sua caminhada. grande abraço. Laura

      Reply
  • 12 de maio de 2016 at 14:22
    Permalink

    Olá Laura,
    Minha mãe foi diagnosticada com uma doença neurológia (afasia primária progressiva) no ano passado, porém ela já vinha mostrando os sintomas da doença há algum tempo. Nesse momento ela está consciente, porém já está com a fala bastante afetada, assim como quase sem memória e muita pouca capacidade de entendimento. Ela está fazendo o tratamento tradicional, fono e também tratamento com reiki. Nós somos adeptas à ‘medicina alternativa’ desde sempre e eu, como filha e ‘cuidadora’, venho tentando buscar esses caminhos para uma possível melhora – que seja pelo menos na qualidade de vida dela.
    Com as minhas pesquisas eu cheguei até a ayurveda e até você. Gostaria de uma ajuda quanto aos primeiros passos a ser dado, onde poderíamos nos consultar, quando um tratamento mais intensivo (como uma ida à Índia) é indicado, etc.
    Imagino que sua demanda seja muito grande, mas ficaria muito agradecida com o seu retorno. Sua trajetória é inspiradora e motivadora, agradeço por compartilhar.
    Com carinho,
    Raisa Bessa

    Reply
    • 24 de maio de 2016 at 00:32
      Permalink

      oi Raissa
      Obrigada pelo seu carinho, contato e interesse. Fico feliz que minha experiência tenha chegado até vocês e inspirado a buscar outras formas de tratamento para complementar. Mande um e-mail para contato@laurapires.com.br que te dou algum contato de terapeuta ou medico que trabalhe com ayurveda para te ajudar. No momento não estou fazendo atendimentos individuais, somente ministrando cursos.
      Muita saúde na sua caminhada. grande abraço. Laura

      Reply
  • Pingback: Ciência da Vida, de acordo com a India – Coollecting

  • 10 de janeiro de 2016 at 11:54
    Permalink

    Olá Laura!
    Me chamo Giselle, tenho 29 anos e comecei a sentir dores nos olhos no dia 20/12/2015, no dia de Natal fui a primeira vez ao hospital com suspeita de dengue, estava na casa de amigos passando o Natal e piorei rapidamente o q me fez voltar para casa e procurar um hospital.Fui internada no dia 28/12 com MTA dificuldade de andar e ver, sem controle de esfinters e fortes dores de cabeça. Mesmo sem certeza do que eu tinha os médicos começaram a me tratar com antibióticos, diziam q as suspeitas principais eram Meningite Viral, Síndrome de Guillain-Barre ou algo raro relacionado a um arbovírus. Dias se passaram e eu deixei de conseguir mudar de posição no leito ou ficar em pé mesmo com ajuda. Passei o Ano-Novo internada e com o resultado de uma pulsão lombar me diagnosticaram com uma Neuromielite Óptica, todos os sintomas batiam, me assustei mas não perdi as esperanças. Faltava a Ressonância para fechar o diagnóstico, iniciaram a pulsoterapia e comecei a melhorar. Voltei aos poucos a andar e retiraram a sonda vesical estava feliz e otimista apesar de saber o longo caminho de incertezas de uma doença degenerativa. Os médicos também estavam diziam q eu tinha respondido rápido. No dia 07 de janeiro de 2016 veio a noticia sem rodeios direta e objetiva dada por uma residente do hospital q acompanhava o meu caso: “Na sua ressonância apareceu Esclerose Múltipla” parecia q não tinha entendido, desabei chorei, pra mim naquele momento me senti sem vida, sem futuro , tds os planos jogados no lixo. Mas logo em seguida me fiz forte não tenho outra alternativa a não ser encarar de frente e agora lendo sua história me desfez um nó no peito, na alma consegui depois de 3 dias chorar de novo e pensar num caminho a seguir que não seja dentro de hospitais e incapaz de viver. Obrigada!

    Reply
    • 21 de janeiro de 2016 at 20:47
      Permalink

      OI Giselle.
      Obrigada por seu contato. Espero que esteja bem. Por favor, entre em contato comigo direto pelo e-mail contato@laurapires.com.br e desta forma podemos conversar melhor.
      Grande beijo
      Laura

      Reply
  • 7 de dezembro de 2015 at 21:37
    Permalink

    Olá Laura, Sua história me toca muito, Tenho dor crônica, muitas vezes fico na cama chorando por causa das dores. Escrevi pedindo, mas sua secretária me disse que não tem feito atendimento pessoal. Pedi pra caso retornasse me avisassem. Esse processo doloroso leva ao desespero. Desde 2009 perdi anos, no auge profissional, numa atividade que sempre amei fazer. Acima vc fala de asas, são elas que vivo dizendo que preciso retomar e reaprender a voar, pois elas foram cortadas de maneira muito forte. Mas não desisto, espero fazer todos os tratamentos que envolvam esta terapia . Tbm gostaria muito de fazer um tratamento na Índia, vou pedir endereço por e-mail. Obrigada por dividir conosco seus conhecimentos.Tenha muita luz.

    Reply
    • 8 de dezembro de 2015 at 03:27
      Permalink

      Rita, vi seu relato sei que a Laura Pires ficou muito famosa com os tratamentos Ayurvedicos no Brasil, mas se ela não puder te atender saiba que tem muitos profissionais e até escolas de Ayuveda no Brasil! Eu fui ao Kerala esse ano e fiz uma formação em Panchakarma e terapias mas ainda não trabalho com as terapias pois tenho um filho pequeno. você também pode ir ao Kerala se tiver vontade. Você pode procurar pelo Dr. Rugê, que é uma referência no Brasil, se quiser ler sobre o ayurveda tem um livro em português que explica tudo, espero que a Laura possa te ajudar, mas se ela não puder em caso de emergência você pode encontrar outros profissionais! Você pode começar eliminando tudo o que não seja natural na sua alimentação, principalmente carnes que causam muita toxinas. Um organismo saudavel é um organismo natural, evite industrializados e as farinhas de trigo, pois têm uma digestão difícil, pratique yoga se puder, não falo somente dos ásanas, falo dos pranayamas e meditações! Você vai conseguir e depois contará sua história sem dores…. Estamos muito sua melhora e faça suas preces ao Divino, indianos são todos muito espiritualizados essa base é importantíssima para nossa saúde! Intensa força para ti !! namaskar

      Reply
      • 8 de dezembro de 2015 at 15:23
        Permalink

        Obrigada Carol pelas dicas e explicações para Rita. Boa sorte na sua caminhada. Grande abraço . Laura

        Reply
      • 8 de dezembro de 2015 at 22:10
        Permalink

        Oi Carol. Obrigada pela gentileza de me passar estas orientações e pela linda mensagem. Adoraria ir à Índia, mas acredito que preciso me preparar primeiro, ou então fosse melhor o susto de ir de uma vez. Adquiri o livro da Laura pra me familiarizar com a parte da alimentação. Vou em busca da minha cura, certamente um dia darei um depoimento sem dores. Quando puder entre em contato – ritacassia_martins@hotmail.com. Saúde pra vc e seu filhote. Mais uma vez obrigada pelo carinho.

        Reply
      • 31 de dezembro de 2015 at 17:12
        Permalink

        Olá Carol, boa tarde!
        Qual o título do livro que você indicou para Rita?

        Grato pela reposta.
        Carlos Alberto

        Reply
    • 8 de dezembro de 2015 at 14:17
      Permalink

      OI Rita.
      Obrigada pelo seu contato. Fico feliz que minha historia tenha inspirado voce a buscar novos caminhos e escolhas para uma vida mais saudável e ajuda-la no seu processo de restabelecimento. Sem dúvida Ayurveda pode ajuda-la. Uma serie de terapias devem ser prescritas e realizadas para sua melhora. Neste momento eu não estou fazendo atendimentos individuais, apenas cursos, palestras. Aqui mesmo no blog há uma lista de terapeutas e médicos que trabalham com Ayurveda (em links e parceiros) e podem te ajudar neste momento. Mudanças inicias ja podem ser feitas através da alimentação, praticas de exercícios, pranayamas desde que bem orientados. Por favor, mande um e-mail para contato@laurapires.com.br e posso te auxiliar melhor. Boa sorte e muita luz nessa caminhada. Laura

      Reply
      • 9 de dezembro de 2015 at 18:01
        Permalink

        Laura, querida, mandei o e-mail para o contato que pediu. Obrigada.

        Reply
  • 23 de novembro de 2015 at 21:19
    Permalink

    Olá Laura. Gostaria de maiores informação sobre a clinica em Kerala: Endereço, telefone, nome do contato. Gostaria muito em fazer tratamento na Índia. Será possível enviar estas informações pelo meu e-mail?

    Reply
    • 24 de novembro de 2015 at 14:27
      Permalink

      OI Marisa. Manda um e-mail para contato@laurapires.com.br e podemos ajuda-la melhor. No blog em Links e parceiros ja tem vários links de clinicas no Kerala. Obrigada pelo contato. Equipe Busca da Essência.

      Reply
  • 4 de novembro de 2015 at 15:49
    Permalink

    Que lindo história! Emocionante… iniciei meu tratamento esse mês. Passei o ano todo com problemas do estômago ao intestino, fazendo vários exames, tomando vários remédios, pulando de gastro em gastro, nutricionista em nutricionista.. Encontrei na Ayurveda o que eu tanto buscava. Ainda estou no início de uma longa jornada que tenho certeza que mudará minha vida.

    Obs: Fiquei curiosa.. depois de tudo isso, você ainda está com o Marcus?

    Reply
  • 20 de outubro de 2015 at 21:01
    Permalink

    Laura boa noite, vi o seu programa com a Bela Gil, tenho câncer e gostaria de mudar a minha alimentação. É a segunda vez que estou fazendo químico. E acredito que a alimentação e os nossos sentimentos estão ligado a essa doença. Como faço para ter contato com você.

    Reply
  • 19 de outubro de 2015 at 18:46
    Permalink

    Olá Laura! Lendo sua história pude perceber que quando enfrentamos um grande desafio a ponto de colocar,os em risco de morte, fazemos uma limpeza espiritual, física e emocional. Fui diagnosticada com câncer de mama em fevereiro de 2015 (e olha que na virada do ano achei que esse seria um ano maravilhoso e tranquilo). Tranquilo não foi nem u, pouco, contudo muitos “ganhos” obtive no meio de tantos temores! Nunvpca tinha ouvido falar na Ayurveda, mas já tenho me interessado incessantemente numa alimentação alcalina, saudável, apostando ser a chave para superação dessa doença. Gostaria de te conhecer, consultar, porém moro no interior de São Paulo (Itapetininga). Por favor, qualquer dica, orientação me ajudará a superar meus medos e minhas fraquezas. Procurarei seu livro para entender mais sobre esse tratamento milenar. Se houver possibilidade de nos comunicarmos, de fazermos uma consulta mande-me um e-mail. Muito obrigada.

    Reply
  • 19 de outubro de 2015 at 10:58
    Permalink

    Paz & bem!
    Gratidao a Deus por vc e sua Saude perfeita e por estar ajudando todos com teu relato!

    Vou participar do worshop no RJ!!!

    Espero poder comprar teus livros la e comecar a minha descoberta da Atvetica !!

    Paz & Bem

    Marcia

    Reply
  • 19 de outubro de 2015 at 10:18
    Permalink

    Oi laura…foi diagnosticada esta semana com a doença NMO, muito parecida com EM, moro em BH, gostaria de ter mais informações …vc me indica alguém aqui em Belo Horizonte?
    Obrigada

    Reply
  • 19 de outubro de 2015 at 01:00
    Permalink

    Ola Laura, muito inspiradora sua historia, tambem tenho E.M fazem 12 anos, e assim como vc, descobri no auge de minha vida pessoal e profissional, hj tenho 42 anos e me considero um vencedor, pois a E.M me tirou da zona de conforto, nunca me acomodei com os tratamentos que fiz até hj, tomei todos os interferons possiveis, fiz tratamento com as altas doses de vitamina D, apliquei botox em pontos estrategicos na perna direita, em em 2014, fiz um transplante de celulas tronco. Hj entendo um pouco sobre E.M assim como vc, pois todos os sintomas que vivenciamos até aqui, nos ensinaram muito. Hj, após tranplante, a doença esta estabilizada, ou seja, não esta progredindo… Mas nao estou confortavel, pois entendo que, esta estabilidade não deve ser pra sempre, e nao pretendo ficar esperando seu menifesto. Ja ouvi falar sobre a medicina ayurvedica, e vendo seu relato, talvez esse seja meus proximos passos em buca de uma qualidade de vida melhor.
    Vamos manter contato, tenho certeza que poderemos trocar muita experiência.

    Atenciosamente,
    Jarbas Requena Jr.

    Reply
    • 8 de dezembro de 2015 at 11:11
      Permalink

      Olá Jarbas Requena Jr,
      gostaria de trocar algumas informações com você sobre EM e alguns tratamentos que citou.
      Email- vinicius.govi@gmail.com
      Obrigado.

      Reply
    • 8 de dezembro de 2015 at 14:20
      Permalink

      OI Jargas. Obrigada pelo seu contato. Estamos juntos nessa caminhada, e é sempre muito bom trocar experiências. Mande um e-mail para contato@laurapires.com.br e desta forma podemos conversar melhor.Parabéns também por suas conquistas e determinação sempre.
      Muita luz e saúde sempre. Grande abraço. Laura

      Reply
  • 15 de outubro de 2015 at 18:24
    Permalink

    Oi Laura,
    Entrei no teu site por acaso, pois estou fazendo yoga e ando lendo muito sobre isso e alimentação saudável.Daí me deparo com este relato emocionante…
    Como você está hoje? Espero que bem!
    Fico feliz pela sua vitória, por compartilhar e inspirar muita gente que precisa de um apoio.
    Eu trabalhei com uma pessoa portadora de EM, e é muito triste mesmo. Não sei como ela está agora, mas sei que fez o tratamento com vitamina D e teve algumas complicações.
    Eu moro no Rio e gostaria de participar de um Workshop. Avise-me o próximo, por favor.
    Muita luz p/ vc!
    Namastê.
    Bjosss

    Reply
  • 14 de outubro de 2015 at 00:07
    Permalink

    Oi Laura!
    Muito emocionada com sua história …
    Minha sogra é portadora de EM fazem 18 anos… Atualmente ela tem 74 anos …
    Vc aconselharia o tratamento?( Opinião sem compromisso, ok? Apenas de forma pessoal, nada profissional); Fico imaginando que devido a idade e o tempo corrido de “convivência” com a doença, não seria interessante fazer uma mudança radical no tratamento a essa altura do campeonato;
    Muito obrigada por compartilhar suas experiências!!! São um presente!!!
    Bj
    Mabel

    Reply
    • 15 de outubro de 2015 at 12:50
      Permalink

      Obrigada querida pelo contato e carinho.
      Todas as mudanças bruscas podem gerar disturbios e desestabilizar qualquer pessoa.
      Ayurveda nao é uma ciência que vem para separar. Caso ela tenha interesse, a ayurveda pode entrar com uma complementacao do tratamento para melhorar ainda mais a qualidade de vida. A maioria dos pacientes que conheci e tive contato fazem uso da medicina ayurvédica aliada aos medicamentos modernos, pois o foco de cada uma e a linha de abordagem é diferente. Boa sorte e muita saúde a vocês. grande beijo.

      Reply
  • 17 de setembro de 2015 at 13:24
    Permalink

    Grata Victoria :)
    Abraco

    Reply
  • 20 de agosto de 2015 at 17:37
    Permalink

    Ola Laura,
    Uma grande amiga irma, me passou o link do seu blog. Ainda nao li, mas pelo comeco, que contou que foi para a India, em 24h depois de comprada a passagem, li com meus pelinhos arrepiando..
    Ainda nao fui para India, e irei em breve.. sei disto… e curiosamente, ja fiz tratanento ayurvedico no Rio e amei… foi divisor de aguas para mim…
    So preciso voltar a praticar mais e estudar, pois meu corpo tem respondido com alergias ( muco, nariz entupido…) .
    Nao estou morando no Brasil… e gostaria de saber se poderia ler seu livro online, em pdf… depositaria em sua conta no Brasil. Gratidao e tudo de bom para voce… e muito feliz q encontrou na ayurveda a luz para vc.. e hoje bem! Agora voltarei a ler seu blog :) Namaste :)

    Reply
    • 16 de setembro de 2015 at 19:14
      Permalink

      Moro fora do Brasil. Seria possível ler em pdf?

      Abs e gratidão

      Reply
      • 17 de setembro de 2015 at 13:04
        Permalink

        Bom dia juliana!

        O que você gostaria de ler em pdf? O livro da Laura? você pode comprar pelo site da Amazon, caso tenha interesse.

        Atenciosamente,
        Victoria Lopes (secretária)

        Reply
  • 13 de julho de 2015 at 21:23
    Permalink

    Laura, encontrei seu site por acaso (?) procurando cursos de culinária saudável. Enviei um email pedindo mais informações antes de ler seu relato. Fiquei comovido. Agradeço por compartilhar sua história. É inspiradora e vem em um momento chave para mim. Espero participar de seu próximo curso.

    Reply
  • 31 de maio de 2015 at 23:01
    Permalink

    Ótimo sempre, Laura! Li a sua história e senti que pode nos ajudar. Meu filho Tiago, hoje com 37 anos, tem Esclerose Múltipla. Trabalha vendendo móveis e decoração indiana, levando até a casa dos clientes. Ultimamente tem sentido fortes dores, e o sistema locomotor está começando a dar problemas. Segundo ele, as dores estão se tornando insuportáveis. Passou por problemas graves de separação, assim como você, e agora está ficando dificil continuar desenvolvendo sua vida profissiona como antes. Gostaria de saber o nome da Clínica que vocè se tratou em Kerala, na India, um site, ou coisa assim. Muito obrigada.

    Reply
  • 19 de maio de 2015 at 20:55
    Permalink

    Olá Laura, comprei o seu livro sem saber sobre o que se tratava…..apenas gostei do título e me interesso por temperos….enfim, quando o livro chegou e comecei a ler, nossa achei maravilhoso, li todo em menos de 1 semana…Mas como sou bem leiga no assunto, gostaria de me aprofundar mais sobre o tema, vc dá consultoria? ou indica alguem? eu moro em São Paulo….Aguardo sua resposta…Um beijo…

    Reply
    • 22 de maio de 2015 at 23:56
      Permalink

      Obrigada pelo carinho.
      Na secao links e parceiros tem uma serie de terapeutas que indico em SP.

      Eu apenas ministro cursos em SP. em breve divulgaremos novo curso que começa em Setembro.
      Boa sorte nesta caminhada
      Saúde

      Reply
  • 28 de abril de 2015 at 00:06
    Permalink

    Oi Laura eu tenho uma vizinha ,que au ler o seu livro, segundo ela ,ve a sua vida ,passou pelas mesmas coisas e ainda esta passando em sua doença,(esclerose)sera que para ela tambem tem cura,sera que algum dia ela podera dizer que a cadeira de roda e passado,como eu posso ajudar?

    Reply
  • 17 de abril de 2015 at 20:08
    Permalink

    Querida Laura, acabei de me deparar com a sua historia, fascinante. Sou estudante de Ayurveda aqui em New York a um ano e amo esta ciencia. Pedi para minha sobrinha comprar o seu livro para mim no Brasil e tenho certeza que vou ama-lo. Eu gostaria tambem de visitar a India num programa de estudo. Voce organiza grupos? Amaria ir com um grupo de Brasileiros. Beijos e boa sorte. Jane

    Reply
    • 22 de maio de 2015 at 23:50
      Permalink

      OI Jane. Obrigada pelo carinho. e feliz que voce esta nesta busca de saúde…
      eu não organizo, mas você pode procurar no site do Dr Jose Rugue.
      ele leva os alunos todos os anos em Janeiro para India para aprofundar os estudos.
      http://www.suddha.net
      escreva para eles.
      Grande beijo

      Reply
    • 20 de dezembro de 2015 at 15:46
      Permalink

      sou medico oftalmologista e otorrino ha 39 anos, favor se possivel enviar detalhes sobre esse curso em N.York, moro e resido no interior do ES , cachoeiro de Itapemerim.
      muito obrigado
      Elias

      Reply
      • 23 de dezembro de 2015 at 11:09
        Permalink

        OI Elias. Obrigada pelo contato. Eu não conheço nenhum curso em NY de Ayurveda. Tem alguns links de alguns links de ayurveda na India e Brasil aqui no blog em links e parceiros. espero que te jude. Boas festas e um excelente 2016. grande abraço . saúde e paz

        Reply
  • 9 de abril de 2015 at 18:05
    Permalink

    Prezada Laura, boa tarde!
    Adorei ter achado seu site. Tenho 26 anos e fui diagnostica com EM aproximadamente há um mês. Estou aguardando o resultado de exames para iniciar o tratamento. Estou lendo seu livro, e confesso, algumas partes me assustam, me arrancam lágrimas, mas ao saber que hoje você está bem é um estímulo para mim.
    Obrigada por compartilhar sua história.
    Beijos,
    Michelle

    Reply
  • 18 de março de 2015 at 13:00
    Permalink

    Querida Laura,

    Somente há poucos dias soube da sua existência e da sua história. Tão logo pesquisei mais sobre vc apaixonei-me e me apaixono por ti a cada dia.
    Tenho uma síndrome (tb rara) denominada ataxia cerebelar (ou seja, meu cerebelo é atrofiado e a doença é degenerativa). Faço yoga, tai chi chuan, acupuntura – que me ajudam demasiadamente, pois apesar da doença estar estacionada, vira e mexe surge um sintoma, como a me lembrar que nada nesse mundo é mais importante que a minha saúde, meu bem-estar -, e logo pretendo iniciar o meu tratamento personalizado com vc.
    Fica o aprendizado, não Laura? Até o sofrimento tem sentido…
    Vc é linda (por dentro e por fora), me inspira e ensina. Obg por tudo!

    Reply
  • 18 de março de 2015 at 00:29
    Permalink

    Oi Laura!
    Estou arrepiada, impactada, emocionada com tudo oque li aqui.
    Dentro de mim existe um desejo pelo novo, e nessa busca, encontrei seu site.
    grede;o pelo amor transmitido.
    Um beijo, Priscila.

    Reply
    • 24 de março de 2015 at 12:53
      Permalink

      Querida Priscila. Muito obrigada pelo seu carinho. Bem vinda a este novo caminho!!! Saúde sempre!! bus

      Reply
    • 24 de março de 2015 at 12:53
      Permalink

      Querida Priscila. Muito obrigada pelo seu carinho. Bem vinda a este novo caminho!!! Saúde sempre!! bjs

      Reply
  • 9 de março de 2015 at 13:41
    Permalink

    Oi Laura,
    Me emocionei com sua linda história de vida.
    Você é luz!
    Abraços,
    Désirée

    Reply
  • 14 de janeiro de 2015 at 18:36
    Permalink

    Laura
    Eu e minha irmã estivemos com vc em 2012 .Recebo suas mensagens dos cursos, livros , receitas e vi numa mensagem no face deum curso que começará em março com duração de 4 meses. Minha irmã nutricionista está interessada em fazer, mas gostaria de mais detalhes.
    Obrigada

    Reply
  • 13 de janeiro de 2015 at 12:51
    Permalink

    oi Laura.
    Tbm tenho EM e me trato com vitamina D.
    Vou comprar seu livro hj e adoraria fazer seu curso de alimentação ayurvédica.
    Sou do RJ, por favor me avisa.
    Sou vegetariana há uns 6 anos, mas agora a Vit D restringiu mais ainda minha alimentação. Fora o cansaço diário estou assintomática.
    Quero mais fontes de ajuda!!!
    Obrigada

    Reply
    • 28 de agosto de 2015 at 21:18
      Permalink

      Oi Clarissa,
      também sou do Rio e estou numa investigação para saber se tenho EM. Já li muito a respeito do tratamento com Vitamina D. Você fez com algum médico no Rio? Ou foi para São Paulo com aquele médico conhecido Cícero Galli?
      Laura, sua história é íncrível e desejo muita saúde pra vc! Também sou vegetariana e depois de conhecer seu blog e sua história gostaria de saber mais sobre a alimentação ayurvédica.
      Quando vai ter curso no Rio?
      Bjs

      Reply
      • 15 de setembro de 2015 at 12:31
        Permalink

        Oi Paola,
        Espero que voce esteja bem.
        Eu não cheguei a fazer tratamento com Vitamina D, apenas consultei com DR Cicero em 2006 para uma avaliacao e ver se era possível fazer junto com Ayurveda. Mas fiz a opção apenas de usar Ayurveda.
        Comecarei mais um curso no final deste mês no Rio. as informações somente com a Raphaela pelo e-mail cursorj@laurapires.com.br

        obrigada pelo carinho e interesse. e Aproveite também para ler meu livro sobre alimentação ayurvédica, tenho certeza que vai te ajudar :)

        Reply
        • 17 de setembro de 2015 at 12:58
          Permalink

          Obrigada pela resposta, Laura!
          Infelizmente não poderei fazer o curso agora porque estou com alguns sintomas da EM e ainda não comecei tratamento. Recebi o resultado positivo da punção essa semana e estou num momento de pesquisar e escolher que tratamento eu quero pra mim.
          Vou ler sim seu livro e começar a pesquisar sobre alimentação ayurvédica. Espero que um dia a gente se conheça e troque ideias.
          Beijos

          Reply
  • 16 de dezembro de 2014 at 17:35
    Permalink

    Olá Laura!

    Achei linda a seu Site. Entrei e li toda a sua história.

    Parabéns pela linda vitória em sua vida!

    Acredito que hoje você tem muito a compartilhar com outras vidas, muitos ensinamentos

    que lhe custaram muitas dores, sofrimentos e incertezas, mas você buscou e encontrou…

    Isto é muito lindo…

    Eu gostaria muito de aprender sobre a cozinha Ayurvédica. Como posso fazer um curso, ou receber um consultoria nesse sentido?

    Obrigado,

    Carlos

    Reply
  • 5 de dezembro de 2014 at 10:54
    Permalink

    Oi Laura!
    Também sou portadora de EM. Tive meu diagnóstico em 2003 – estava com 27 anos e foi uma notícia muito difícil – e desde então faço uso de betainterferon, mas ultimamente tenho sentido um forte desejo de parar. Passei a me incomodar com as aplicações e acredito que existem maneiras menos agressivas de me cuidar.
    Terminei na semana passada meu tratamento ayurvédico com a Dra Maisa Misiara – médica que tb foi para a Índia estudar sobre a medicina ayurvédica.
    Desde então sinto o desejo de que guiar por esses caminhos também.
    Gostaria muito de participar do seu curso de culinária ayurvédica.
    Se possível, me avise qdo for realizar um próximo.
    Gostaria muito de conhecê-la pessoalmente tb! Bjs! Namastê! Muita saúde!

    Reply

Deixe uma resposta para MOZAICA LIGUORI Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>